EXEMPLO! Escolas devem vender apenas alimentos saudáveis nas cantinas

Cantinas
Cantinas escolares precisam se adequar às novas regras

Infelizmente isso não é para todo o Brasil, apenas para o Distrito Federal onde terminou ontem (26) o prazo para que as cantinas de escolas se adaptem ao Decreto 36.900 de 2015 que regulariza a venda de alimentos saudáveis nas escolas. Balas, pirulitos, gomas de mascar, biscoitos recheados, refrigerantes e sucos artificiais, salgadinhos industrializados, frituras, pipoca industrializada, bebidas alcoólicas e alimentos industrializados cujo percentual de calorias provenientes de gordura saturada ultrapasse 10% (dez por cento) das calorias totais formam a lista de produtos com venda proibida no ambiente escolar, de acordo com o decreto.

Um exemplo a ser seguido em todo o Brasil onde cantinas de escolas ultrapassam os limites de tolerância e vendem produtos que causam diversos males à saúde de crianças e adolescentes em idade escolar. Aqui em São Luís não é difícil encontrarmos cantinas que saltam aos olhos das crianças pela infinidade de alimentos prejudiciais mas que são consumidos com frequência pelos mesmos.

Basta fazer um passeio pelas escolas mais conhecidas da região, com destaque para o bairro do Renascença, para se perceber que a realidade está muito aquém das escolas do Distrito Federal. As cantinas, que em sua maioria são terceirizadas e tem como responsável um nutricionista, estão repletas de bombons, doces, salgados fritos, bebidas açucaradas, sanduíches que de natural não tem nada, pizzas, refrigerantes, além de outros produtos que deveriam ter venda proibida em ambiente escolar.

O decreto também exige que as cantinas escolares vendam alimentos saudáveis como frutas inteiras ou picadas e proíbe a publicidade de alimentos não-saudáveis nas escolas e nas suas proximidades. Um grande avanço na prevenção de doenças como diabetes, hipertensão e obesidade tão comuns hoje.

É realmente um exemplo a ser seguido e um apelo e conscientização aos donos de escolas e administradores de empresas que trabalham com lanches escolares que tenham mais responsabilidade pela saúde de crianças e adolescentes não visando apenas lucros mas sim qualidade de vida.

Leia aqui o Decreto 36.900 de 2015

PREOCUPANTE! Dengue, Zika e Chikungunya reduzem doações de sangue

Doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti comprometem doações de sangue
Doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti comprometem doações de sangue

O aumento das doenças causadas pelo Aedes Aegypti reduziu significativamente as doações de sangue nos hemocentros do Nordeste, onde a epidemia está maior do que em outras regiões. Isso porque, os doadores que contraem dengue, zika vírus e a febre chikungunya devem esperar por, no mínimo, um mês para voltarem a fazer doações, o que compromete as reservas de sangue que já são poucas em todos os hemocentros dos estados nordestinos.

No caso do Maranhão, o Hemomar opera com menos da metade do estoque de sangue. Para atender a demanda o hemocentro precisa coletar por dia aproximadamente 300 bolsas de sangue. A situação é preocupante porque a maioria das doações são de reposição, ou seja, quando o doador já tem o nome do paciente indicado para receber. São poucas as doações espontâneas, a maior necessidade do Hemomar.

Os hospitais estão tendo dificuldades em fazer cirurgias por não ter como repor sangue aos pacientes internados. Por outro lado pacientes que contraem as doenças causadas pelo mosquito, por exemplo a dengue hemorrágica, podem precisar de transfusões o que agrava ainda mais a situação dos hemocentros que não tem como atender a grande demanda.

Portanto, vale um alerta aos maranhenses que não contraíram nenhuma das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, que procurem o Hemomar e façam doações pois a necessidade é grande e a ajuda agora é essencial.

Réveillon de Governador Nunes Freire foi pago com 13° dos servidores da Saúde

Marcel Curió
Marcel Curió o prefeito que não paga servidores da Saúde

A Justiça deverá impor prazo de 72 horas, para que o prefeito do município de Governador Nunes Freire, Marcel Everton Dantas Silva, o ‘Marcel Curió’, efetue o pagamento do 13º salário integral de 2015, dos servidores da saúde e dos agentes de endemias. A Ação Civil Pública com pedido de liminar, foi proposta pelo Ministério Público do Maranhão através da promotora de justiça Laura Amélia Barbosa, titular da comarca.

Ocorre que o prefeito promoveu, no dia 30 de dezembro de 2015, uma grande festa de réveillon com bandas de renome nacional mas nunca pagou os servidores.

Em janeiro, a promotoria tomou conhecimento do problema, instaurando a investigação que comprovou o atraso dos salários. Antes de ajuizar a Ação Civil, o MPMA encaminhou três ofícios ao Município, mas somente o terceiro foi respondido e Marcel nunca comprovou o pagamento.

O MPMA está exigindo que o Município comprove o pagamento, por meio de documentos que demonstrem o depósito em nome de cada servidor, devendo ser encaminhada também a folha de pagamento.

Em caso de descumprimento, a Promotoria pedirá que seja determinado o bloqueio de 60% de todos os recursos encaminhados ao Município do Fundo de Saúde (FUS), bem como da verba destinada ao pagamento dos agentes de endemias e ainda que seja fixada multa pessoal ao prefeito no valor de R$ 8 mil por dia de atraso.

Do Blog do Minard

Religião e Saúde! Papa defende uso de contraceptivos contra a Zika

Papa Francisco admite
Papa Francisco admite: “evitar a gravidez não é um mal absoluto”

É cada vez mais alarmante o número de casos de microcefalia em bebês de mulheres que contraíram o vírus zika no início da gestação. Especialistas recomendam que se evite a gravidez nesse momento em todo o mundo pelo risco que a doença tem apresentado.

Em meio às discussões para se evitar a gravidez, o Papa Francisco se manifesta admitindo que as mulheres poderiam recorrer ao uso de contraceptivos. Ele deixou claro que existe uma diferença moral entre abortar e prevenir uma gravidez nesse momento.

Apesar de a Igreja Católica rejeitar historicamente métodos contraceptivos, Francisco afirmou que “evitar a gravidez não é um mal absoluto”.

O papa Francisco prova mais uma vez que a Igreja Católica não pode permitir que seus seguidores sejam prejudicados por mais um dogma que o tempo e a ciência já provaram que não passa de imposições religiosas para a simples formatação da fé.

Semus de São Luís deve garantir remédios a pacientes com deficiência

Helena Duailibe
Secretária de Saúde Helena Duailibe

O Ministério Público do Maranhão propôs, em 12 de fevereiro, Ação Civil Pública, com pedido de medida liminar, contra o Município de São Luís para garantir, no prazo de 15 dias, o fornecimento a toda pessoa com deficiência que solicitar os medicamentos Xilocaína gel ou lubrificante gel, Amitriptilina, Baclofeno, Oxibutinina, Minilax, além de materiais de uso contínuo, como sondas uretrais, água boricada, luvas, gases, sacos coletores e dieta enteral líquida.

O pedido objetiva beneficiar todo paciente que solicitar os insumos, até o dia 31 de dezembro de 2016. Em caso de descumprimento, o Município estará sujeito ao pagamento de multa diária a ser estabelecida pela Justiça.

Ajuizou a ACP o promotor de justiça Ronald Pereira dos Santos, titular da 14ª Promotoria Especializada na Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

SEM FORNECIMENTO

Consta nos autos que a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) não forneceu a um paciente paraplégico diversos materiais e os medicamentos Xylocaína Amitriptilina, Oxibutinina, Baclofeno e Minilax. No momento em que efetuou a solicitação, o paciente foi informado pela Semus que o programa de fornecimento de medicamentos do órgão não estava estruturado para conceder os referidos remédios e materiais solicitados por ele.

Em outubro de 2015, representantes do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Luís e do Fórum da Pessoa com Deficiência também relataram que várias pessoas estavam sem receber medicamentos e materiais de uso contínuo e até o kit de cateterismo vesical entregue estava incompleto.

Uma outra denúncia feita ao MPMA apontou que um paciente deixou de receber da Semus dieta enteral líquida, solicitada em 19 de outubro de 2015.

PEDIDOS

Além da entrega dos referidos materiais e medicamentos, no prazo máximo de 15 dias, a Promotoria requer a intimação do gestor titular da Secretaria Municipal de Saúde para se manifestar sobre os fatos e tomar ciência da possibilidade de vir a pagar pessoalmente a multa incidente por dia de descumprimento da obrigação.

“A inércia da autoridade administrativa, deixando de executar determinada prestação de serviço a que por lei está obrigada, lesa o patrimônio jurídico individual de cada requerente e, indistintamente, de todas as pessoas com deficiência que vierem a apresentar a mesma pretensão de atendimento do citado direito fundamental, configurando assim lesão difusa e coletiva de direito fundamental indisponível”, ressaltou o promotor de justiça Ronald Pereira dos Santos, na ação.

Fonte: MPMA

Chapadinha: Criança com síndrome tem apoio da prefeitura e se recupera

Daniel sendo atendido no Centro de Especialidades
Daniel sendo atendido no Centro de Especialidades por um oftalmologista

Daniel da Silva Bastos, a criança de 8 anos que após ter sido medicada com paracetamol e ibuprofeno, desenvolveu a Síndrome de Stevens-Johnson, recebeu o apoio da prefeitura de Chapadinha e já se encontra recuperado das lesões na pele.

O paciente, quando diagnosticado pela síndrome, deve receber atendimento em unidade hospitalar para que não haja complicações graves, como infecção generalizada e lesões em órgãos internos. E foi o que aconteceu com Daniel, após apresentar os sintomas foi encaminhado ao Hospital da Criança em São Luís, recebendo assistência e iniciando o tratamento.

A Prefeitura de Chapadinha, através do Secretário de Saúde, Allan Monteles, está acompanhando de perto o caso e dando total apoio à criança que está recebendo os cuidados necessários de especialistas para que sua recuperação seja plena.

O garoto esteve no Centro de especialidade do município com um oftalmologista na manhã desta quinta-feira (18). Em nenhum momento deixamos de dar assistência que está se recuperando muito bem. Hoje à tarde vamos conceder uma entrevista com uma pediatra e um neuropediatra sobre o estado clínico de Daniel. A melhora é surpreendente”, disse o secretário Allan Monteles.

Importante ressaltar que o apoio ao menino Daniel foi fundamental em sua recuperação pois a Síndrome de Stevens-Johnson é grave e caso não seja iniciado tratamento adequado o mais rápido possível, a síndrome pode levar a perda da visão, necrose em órgãos e até mesmo o óbito.

SUS: em Caxias prefeito persegue e clínica suspende atendimento

Foto: reprodução Blog do Minard
Prefeito Léo Coutinho não tem compromisso com a saúde de Caxias. Foto reprodução: Blog do Minard

A situação da Saúde Pública de Caxias é cada vez mais grave. Desde 2014 que a Maternidade Municipal Carmosina Coutinho ganhou destaque nacional e virou assunto polêmico no Estado por conta dos mais de 200 óbitos de recém-nascidos registrados no local. Mas agora, a coisa complicou ainda mais em outra unidade de Saúde daquele município.

Depois de 25 anos funcionando em Caxias, a Uni Clínica Santa Terezinha pôs uma faixa bem grande em sua fachada anunciando a suspensão de atendimento pelo SUS (Sistema Único de Saúde). O dono da clínica, o fisioterapeuta Ermando Filho, decidiu pela medida drástica alegando perseguição por parte do prefeito de Caxias, Léo Coutinho (PSB).

Com isso, mais uma vez os mais prejudicados serão os moradores da cidade e região que dependem única e exclusivamente do serviço público de Saúde do Município, principalmente aqueles que necessitam de acompanhamento fisioterapêutico, vítimas de problemas neurológicos, acidentes ou doenças que comprometam a locomoção.

Entenda o caso

O proprietário da Clínica Santa Teresinha, Ermando Filho, explicou numa rádio local sobre o descredenciamento da empresa junto a Secretaria de Saúde do Município. “O contrato está vigente e eles cancelaram deixando claro que seria por conta do meu parentesco com o vereador Fábio Gentil”, disse Ermando afirmando que ouviu isso tanto do prefeito Léo Coutinho como do deputado estadual Humberto Coutinho. “Alegaram que não iriam alimentar o Fábio Gentil”.

Ermando mostrou revolta com a situação e se pôs à disposição contra os desmandos em Caxias. “Ao contrário do que alegaram para descredenciar nossa Clínica, nunca havia participado de eventos políticos seja de parentes ou não. Agora, irei comandar uma campanha do Alerta Vermelho na Saúde de Caxias”, concluiu o empresário e fisioterapeuta.

QUE VERGONHA PREFEITO LÉO COUTINHO!

Fonte: Blog do Minard

Simples Nacional: Médicos poderão ter grande benefício fiscal

Os senadores aprovaram regime de urgência para o projeto
Os senadores aprovaram regime de urgência para o projeto

Desde o ano passado, médicos, advogados, dentistas e engenheiros que atuam como pessoas jurídicas podem aderir ao Supersimples ou Simples Nacional. Embora o regime unificado de tributação elimine boa parte da burocracia, a opção nem sempre fica vantajosa para o profissional.

Emenda apresentada pelo senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), no dia 11 de dezembro, transfere a medicina de tabela no Projeto de Lei da Câmara 125/15, que reorganiza e simplifica a apuração do imposto do Simples Nacional. “A emenda propõe a alteração da forma de tributação dos serviços médicos, inclusive laboratorial e enfermagem, pelo Simples Nacional, o que promoverá justiça fiscal, na medida em que equiparará essas atividades a outras como serviços já beneficiados. Nada justifica a diferenciação entre essas atividades para efeitos de tributação”, justificou Caiado.

Se acatada pelos parlamentares, a emenda trará grande benefício fiscal para os médicos. Com a mudança, eles passariam a não mais integrar o Anexo 6 da Lei Complementar, e sim o Anexo 3. A alíquota de quem recebe receita bruta anual de até R$ 180 mil, por exemplo, passaria de 16,93% para 6%, além de expandir esse volume para R$ 225 mil.

O projeto já passou pela Câmara dos Deputados. Desde setembro último, tramitava na Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal, onde recebeu diversas emendas e o parecer favorável da relatora Marta Suplicy (PMDB-SP). Agora, deverá ser votado pelo Plenário da Casa. Na penúltima sessão de 2015, em 15 de dezembro, os senadores aprovaram a votação em regime de urgência para o projeto. Com o fim do recesso parlamentar, a previsão é de que a proposta entre brevemente em pauta.

Fonte: Conselho Federal de Medicina

Caso da criança de Chapadinha pode não ter sido erro médico

Corpo da criança completamente atingido pela reação alérgica. Foto reprodução Blog do Minard
Corpo da criança completamente atingido pela reação alérgica. Foto reprodução Blog do Minard

O caso do menino Daniel da Silva Bastos, de 8 anos de idade, atendido no Posto de Saúde do bairro Areal em Chapadinha com dor de cabeça e febre pode não ser erro médico. A criança foi medicada com ibuprofeno e paracetamol e desencadeou uma reação alérgica grave. Conforme informações de enfermeiras que atenderam a criança no Hospital da Criança em São Luís, o menino pode ter desencadeado a Síndrome de Stevens-Johnson.

A Síndrome de Stevens-Johnson é uma reação alérgica grave, habitualmente após o uso de certos medicamentos, podendo atingir tanto adultos quanto crianças. A reação é imprevisível e ocorre por uma característica do sistema imunológico do indivíduo. Os sintomas aparecem após a administração do medicamento apresentando febre alta e erupções cutâneas podendo atingir a pele e mucosas. A pele fica com aparência de queimaduras e em casos graves pode levar à morte.

Os medicamentos mais comuns são os antibióticos, anti-inflamatórios não-esteróides, anticonvulsivantes e analgésicos. Os mais citados em estudos são amoxilina, penicilina, sulfonamidas, dipirona, paracetamol, ibuprofeno, piroxicam e os fármacos ditos como “medicamentos controlados”, como o gardenal.

De acordo com especialistas, a síndrome é rara e afeta indivíduos com predisposição à reações medicamentosas. Infelizmente não tem como saber se a pessoa é predisposta ou não, principalmente no caso de crianças.

O Blog Hospital de Base faz um alerta para o uso indiscriminado de certos medicamentos e a automedicação. E até mesmo o uso associado de fármacos como foi o caso do menino Daniel ao ser medicado tanto com paracetamol quanto ibuprofeno.

Mulheres congelam embriões por medo de microcefalia

coisas-que-uma-gravida-pode-nao-pode-fazerA preocupação sobre a relação do Vírus da Zika com a microcefalia está levando mulheres que desejam engravidar a congelar seus embriões e a atrasar o processo de fertilização. Muitas moradoras do Espírito Santo que já faziam tratamento nas clínicas especializadas decidiram esperar para implantar o óvulo fecundado no útero e, assim, engravidar.

“A maioria está optando por esta situação. Orientamos a esperar de quatro a seis meses, até que passe o verão e o período de chuvas, quando se espera que a epidemia esteja mais baixa”, explicou o médico especializado em reprodução humana Jules White.

Ele disse ainda que, nesse tempo, a expectativa é que se tenha uma definição melhor do Conselho Federal de Medicina sobre como proceder na orientação às mulheres que desejam engravidar.
“Quando apareceram os casos aqui fiquei com medo e disse ao médico que faria o tratamento até a coleta dos óvulos e que queria que os embriões fossem congelados”, disse uma paciente que prefere não se identificar.

A mesma situação tem acontecido com as pacientes do médico Carlyson Moschen, mas, em sua clínica, elas são a minoria. “Há mulheres que já estavam em tratamento e preferiram não transferir o embrião e deixar guardado”, comentou.

Ele destaca que as que optaram por implantar o óvulo fecundado recebem uma orientação para prevenção contra o zika. “Tem que conversar, saber se onde mora é uma zona de foco de casos de Vírus Zika, ou mesmo no local em que a pessoa trabalha”, explicou.

Nesses casos, quando a futura mãe assume a possibilidade e faz a fertilização, é preciso tomar precauções básicas, como usar repelente e colocar tela nas janelas. Como o horário que o mosquito mais trafega é no início da manhã e no final da tarde, é quando a mulher tem que estar mais protegida.

Fonte: A Gazeta